terça-feira, fevereiro 19, 2019

O Tarô e a Psicanálise




A utilização de Oráculos é milenar. Não se consegue precisar o início de sua utilização.

A origem da palavra já o define, oráculo significa "resposta de uma divindade", assim como também é utilizado para o sacerdote que traz a suposta previsão ou informação divina.

A taromancia tem origem nos primórdios da humanidade, registros trazidos pelos Egípcios que a utilizavam para assegurar-lhes as colheitas, assim como a astrologia e o horóscopo egípcio traziam orientações para a sobrevivência e tomadas de decisão.

O Oráculo de Delfos foi edificado no século VII A.C., Delfos atraia milhares de pessoas que buscavam respostas dos deuses.

Em sentido figurado a palavra oráculo também pode ser sinônima de profecia ou revelação.

Mas quando trazemos o oráculo para os dias atuais, uma mudança conceitual trazida por Carl Jung, no início do século XX, traz uma nova conceituação do oráculo dentro do processo da psicologia analítica, onde ganham outra roupagem, se transformam em veículos interessantes ao processo de autoconhecimento.

Para Jung o inconsciente é quem traz a resposta através dos oráculos e desta maneira possibilita a compreensão de seu mundo através dos arquétipos que cada lamina de tarô, por exemplo, significa.

Para entendê-lo, é preciso aceitar que a expressão do inconsciente se dá a partir de símbolos.

Pessoalmente utilizo o tarô cigano para trazer esta leitura do inconsciente que juntamente com a expressão original do oráculo.

A junção do Tarô com a Psicanálise me possibilita direcionar o paciente a compreender suas dores e traçar mudanças comportamentais para traçar um novo futuro.

Permita-se olhar de forma diferente para o seu interior e obtenha resultados diferentes na sua vida!